top of page
  • Foto do escritorAlberto Moby Ribeiro da Silva

LAGOS ANDINOS II: PUERTO VARAS

Atualizado: 6 de jul. de 2023

Então. Como eu disse na postagem anterior, os anos se passaram, o casamento acabou, vieram outros e a vida seguiu o fluxo. Pude viajar mais, dentro e fora do Brasil, e conheci lugares e gentes. Inevitavelmente, em minhas rodas de conversa, os amigos, sabendo da minha paixão por viagens e acompanhando, através de fotos, de vídeos ou dos meus relatos (imagino que alguns muito cansativos...) sempre perguntavam a minha opinião sobre que lugar entre as minhas andanças era o mais bonito. Meu primeiro impulso era sempre responder que é a região dos Lagos Andinos.


Só que quanto mais aquela viagem de 1995 ficava pra trás no tempo maior era minha dúvida interior na hora de responder – mesmo a resposta para os amigos sendo invariavelmente a mesma. Até que vinte anos depois, em 2015, uma nova companhia (a mais viajeira das que tive) foi o incentivo para a “expedição científica” para conferir se minha primeira impressão estava correta ou se era apenas uma traição da minha memória afetiva.


Já bem mais experiente, com um pouquinho mais de dinheiro e também com mais tempo, preparei um minucioso roteiro. Começando em Santiago do Chile, em 28 de dezembro de 2015, antes de viajar pela região dos Lagos, fomos à cidadezinha de Peñaflor, onde mora minha amiga Marta Cid, a Valparaíso e Viña del Mar, onde passamos o réveillon, cruzamos a fronteira com a Argentina, onde passamos alguns dias em Mendoza e Maipú, e retornamos à capital Chilena. (Sobre essa parte da viagem conto em outra postagem.)


De Santiago, na noite do dia 10 de janeiro fizemos o trajeto mais longo e mais cansativo da viagem, de Santiago para Puerto Varas, primeira cidade do nosso roteiro pela região dos Lagos Andinos. Tinha uma memória muito vaga dessa cidadezinha graças a uma parada que não deve ter durado mais que dez minutos em minha viagem de 1995, quando vinha de Osorno para Puerto Montt. Essa curtíssima entrada na cidade, no entanto, tinha sido suficiente para me mostrar que Puerto Varas era encantadora. As fotos que vi ao longo desses vinte anos de espera só confirmaram aquela primeira e impressão deixada por minha meteórica passagem por lá.

Mirante na Av Costanera, com o lago Llanquihue e, ao fundo, os vulcões Osorno (esquerda), Calbuco (direita) e Cerro Tronador (centro)


Não me arrependi. Ao contrário, Puerto Varas é uma encantadora e aconchegante cidade que tem como moldura o deslumbrante Lago Llanquihue e o magnífico vulcão Osorno, fazendo com que qualquer foto, tirada de qualquer ângulo, num dia claro, seja digna de cartão postal (quando eles ainda existiam...) ou calendário de parece (outro objeto doméstico cada vez mais raro...).

Anoitecer no lago Llanquihue, com o vulcão Osorno ao fundo


Nessa viagem, que, como disse, começou por Santiago, usei pela primeira vez o serviço de hospedagem do Airbnb. Em Puerto Varas, alugamos um quarto no El Roble Hostal, uma casa super aconchegante, que dividimos com os proprietários e outro casal, de Buenos Aires, Ricardo e Patricia, professores universitários, que se tornaram nossos amigos e que encontramos no ano seguinte na capital argentina. Além do excelente café da manhã e da vista privilegiada do Vulcão Osorno, de bônus osso anfitrião, Martin, nos convidou para uma cantoria que acontecia nas noites de quarta-feira, quando rolou música popular chilena, música argentina e até MPB.

Nosso anfitrião, Martín, e Ricardo, hóspede como eu, num sarau musical no Hostel Los Robles


Além de ter seus próprios encantos, como, por exemplo, a belíssima Igreja do Sagrado Coração de Jesus, Puerto Varas também serviu de base para três bate-voltas: Frutillar, uma florida cidadezinha 28,5 km ao norte, também às margens do Lago Llanquihue e com vista para o espetacular Vulcão Osorno; Valdivia, uma bela cidade universitária cerca de 200 km mais ao norte, passando por Osorno, quase na metade do caminho; e Puerto Montt, 20 km ao sul, de onde esticamos até Castro, cidade principal do arquipélago de Chiloé. De cada um desses pequenos mas intensos passeios trouxemos na memória cheiros, sabores, mas principalmente imagens inesquecíveis.

Puerto Varas: Vulcão Osorno


Puerto Varas: Igreja do Sagrado Coração de Jesus


Frutillar: Márcia, minha mulher, num jardim da Av. Philippi


Frutillar: a belíssima estrutura em madeira do Teatro del Lago


Valdivia: Mercado del Pescado visto do Rio Calle-Calle


Valdivia: barco de turismo cruzando o Rio Calle-Calle


Castro, Ilha de Chiloé: Igreja de São Francisco vista por trás


Castro: Gimnasio Escolar Luis Oribe Díaz

10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page